domingo, 1 de janeiro de 2017

Aquele papo de renovação, etc e tal

Meu primo Caleb se divertindo na praia. 2015.

E depois de tanto tempo (XX meses), aqui estou eu novamente! E aí, pessoal, tudo beleza?

Eu imagino que do outro lado da tela estejam carinhas com reações bem diferentes uma da outra... Alguém está feliz por eu ter voltado a blogar; alguém tá olhando com cara de incredulidade, não acreditando que eu realmente voltei e não acreditando que eu terei disciplina para permanecer (que feio); independentemente da sua carinha aí do outro lado, aqui estou eu, do meu lado, com a minha carinha de fé e esperança!

Primeiro de janeiro sempre é um dia muito especial para mim. Sempre estou inspirada, tranquila, confiante.... Esse ano, apesar de eu não ter sentido a "Magia de Virada de Ano", estou aqui, no primeiro de janeiro, inspirada, feliz e confiante. E após ter curtido um dia bacaninha no sítio de um tio (irmão da minha vó - não que você se importe) tomando banho de piscina e aproveitando a companhia da minha maravilhosa família, ouvi da prima do meu pai que sentia falta das minhas postagens. Aquilo soou como um "UAAAAAAAAAL" na minha mente.

Eu sendo normal e magrelinha na praia com minha tia. 2015.

Pra você entender melhor o que eu senti naquele momento. Eu sou uma pessoa normal de 18 anos, que mora num bairro massa de uma cidade maravilhosa. Trabalho, vou pra escola, ouço reclamação da minha avó quando chego muito tarde em casa, tenho medo de atravessar a rua fora da faixa e amo suco de laranja. Nada que não exista também perto de você. Aí uma mulher que já atuou em novelas da Globo, trabalhou na produção do filme de ALCEU VALENÇA e viveu altas coisas maravilhosas e empolgantes, disse que acompanhava e meu blog e que fazia tempo que eu não blogava. UAAAAAAAAAAL.   

Não sei de vocês já perceberam, mas eu sou um pouco desanimada quando o assunto é blogar. Amo muito compartilhar com vocês meus textos, minhas ideias, minhas receitas... E amo mais ainda saber que as pessoas se identificam com isso. Contudo, o baixo índice de visualizações me deixa um pouco triste e desanimada. Então, no meio do meu desanimo e desistência, aparece alguém para me lembrar que sim, o meu blog é visto. Acima de tudo, aparece alguém no primeiro de janeiro para me lembrar disso. Algo mais "UAAAAAAAL" do que isso?

Então, para a alegria de todos e felicidade geral da nação, digam ao povo que fico. Fico no blog, fico nos meus textos, fico perseguindo o meu sonho. Estou pronta! Estou pronta para transformar minhas experiências em textos e mostrá-los a vocês! Estou pronta para falar sobre livros, filmes, receitas, falar qualquer besteira. Sabe por quê? Porque apesar de toda a dificuldade para manter o blog e de vocês, meus leitores, serem poucos, vocês existem, vocês estão aí. Estou aqui por vocês e por mim!

Muito obrigada a você que me acompanha. A você que lê isso. Obrigada, Vitória, por ter sido e estopim desse novo Aurora no Papel. Obrigada a todos os meus familiares e amigos e me apoiam com esse e com todos os outros sonhos!

Gostaria, contudo, de informar a todos vocês que estou "abandonando" o blogspot e adotando o wordpress. Como ainda não sei usar essa nova plataforma (gente, até agora não consegui editar a página "sobre"!) as coisas não estão prontas por lá. Como eu disse, decidi hoje mesmo que voltaria e aqui estou eu. A data para a volta do blog já está marcada: dia cinco de fevereiro!

Até lá, estarei preparando novos conteúdos pra você e aprendendo a mexer naquele trem. Tornando a página com a nossa cara, com a cara Aurora no Papel. 

Obrigada por tudo, queridos! Nos vemos em fevereiro!



segunda-feira, 16 de maio de 2016

O meu coração é índio.



O meu coração é índio, amor, e tu bem sabias disso quando chegou com tuas grandes embarcações na costa do meu país. O meu coração é índio, que te escandaliza com a liberdade e simplicidade do meu modo de viver, mas tu também sabias disso.

E partes meus coração quando chegas querendo impor-me teus costumes europeus, obrigando-me a cobrir as vergonhas – ora!, que vergonha há em mostrar quem eu sou por completo? – com teus panos refinados, bordados a ouro, caríssimos, mas que não têm valor algum para mim. Partes meu coração quando vens me pedir para trabalhar incessantemente para acumular riquezas que eu não terei tempo de aproveitar e por isso eu fujo, eu resisto, eu luto.

De que vale o teu encantamento com a cor da minha pele quando usas teu chicote para  sangrar os meus irmãos? De que valem tuas palavras doces e complicadas poesias quando proferes contra o meu povo xingamentos e pragas? De que valem teus carinhos e amores de madrugada quando levantas de manhã de cedo para sangrar o meu povo, arrancar a minha mata, domar os meus irmãos e explorar o meu território?

Então eu fujo, fujo, amor, porque para um índio é mais fácil lutar com arcos e flechas contra espadas e revólveres do que lutar contra o seu próprio instinto. Eu resisto à tua violência moral e física, para que, de noite – se teu revólver me deixar vivo até lá – eu possa me deitar tranquilo, sabendo que não desonro meus ancestrais, que não luto contra mim mesmo por causa de ti.  Eu resisto, porque não matarei a floresta que estava aqui antes mesmo do meu nascimento para que tu possas acumular riquezas que nem tu, amor, irás aproveitar.


O meu coração é índio, amor, e eu posso lutar contra quem eu sou. O meu corpo dói por causa da tu exploração, mas a minha mente repousa tranquila. Nem mesmo o mais valente e temido dos índios é capaz de lutar contra a sua própria consciência – não é sábio agir assim. Meu coração é índio e lutará até o fim.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Carl Sagan - Bilhões e Bilhões


Eu nunca fiz nenhuma resenha sobre um livro desse tipo e talvez até nunca tenha lido. Que gênero é? Informativo? Científico? Filosófico? Eu não sei, gente, mas sei que é maravilhoso.

Carl Sagan foi um cara muuuito inteligente. Estudava astrofísica, astroquímica e astrobiologia procurando respostas sobre a origem do Universo e a existência de vida lá fora. Além disso, dominava quase todas as áreas do conhecimento e foi o maior (eu julgo como maior) divulgador da ciência. Com esse currículo maravilhoso, era de se imaginar que fosse despertar meu interesse.

Esse livro póstumo, Bilhões e Bilhões, traz inúmeras reflexões práticas a respeito da vida e é divido em três partes: O poder e a beleza da quantificação, que fala, principalmente, sobre pesquisa e filosofia científica; O que os conservadores estão conservando?, que expõe os problemas ambientais, explicando suas causas, consequências e possíveis soluções; e Quando os corações e as mentes entram em conflito, que fala sobre vida, morte, doenças, guerra etc.

Nem preciso falar que amei, né? Carl Sagan consegue como ninguém tornar o conhecimento científico de fácil compreensão. Então se você não entende muita coisa de ciência, mas tem interesse de conhecer um pouco mais, leia Carl Sagan sem medo: apesar de trazer termos técnicos, Bilhões e Bilhões soa como uma conversa casual tomando um suco de laranja. A interdisciplinaridade ajuda bastante nisso aí: a explicação de como funciona a bomba atômica aparece junto com questionamentos políticos a respeito da segurança mundial com a existência dela.



Geeeeente, que livro maravilhoso! Embora não seja uma autobiografia, me fez entender um pouco quem foi Carl Sagan, ver a pessoa maravilhosa que ele foi (pelo menos os ideais eram maravilhosos). A preocupação dele com a preservação da vida, a forma com que ele se maravilhava com a natureza e todo o Universo fizeram eu me identificar bastante com ele.

Então tá aí minha dica pra quem tem vontade de aprender um pouco mais sobre ciência: LEIA CARL SAGAN! Ou, como diria minha avó, Carsaga.

Por hoje é só, pessoal, muito obrigada por tudo!

Abraços quentinhos!

Deus abençoe vocês!

domingo, 8 de maio de 2016

Por onde andas? ou Como o Enem e os Vestibulares têm moldado nossas vidas.



Escola. Trabalho. Cursinho. Arrumar a casa, lavar a roupa. Interagir com a família. Manter amizades à distância. Ter uma vida saudável. Ir à Igreja domingo de manhã e de noite, e participar da célula no sábado à noite. Arranjar tempo para ler livros e assistir séries e filmes no meio de toda essa confusão. Explicado agora o porquê do meu sumiço?

Cá estou eu, à beira dos dezoito e ainda sem acreditar. Vez ou outra tento recorrer à imaturidades dos meus quatorze anos quando falho em alguma coisa, mas aí percebo – poxa, eu não tenho mais quatorze anos. Cá estou eu, perdida.

Se me couber falar e se o termo for realmente esse, diria que estou passando pela “crise dos dezoito” (alguém aí também tá nessa?). Todas as possibilidades da vida estão diante de mim nesse momento e o mundo quer que eu escolha apenas uma: ou ciência ou literatura; ou dança ou jornalismo... Não posso mesmo escolher todos esses?

Certa vez ouvi falar que o ENEM e os vestibulares mitigavam o número de gênios brasileiros, porque todo o estudo da juventude é voltado para aprender macetes, saber administrar o tempo da prova, escrever argumentos convincentes. Ninguém quer mais descobrir um método resolutório mais prático, ninguém quer mais tocar o coração do leitor.

Embora esteja vivendo tudo isso que citei e critiquei acima, quero dizer para você, caro leitor, que não quero deixar de ser quem sou. Não quero deixar de escrever, não quero deixar de sentir, não quero deixar de escrever o sinto para fazer alguém sentir também... A falta de visualizações no blog me desanimou, a falta de tempo para atualizá-lo me desanimou, toda essa correria me desanimou, mas eu não quero deixar de ser quem sou, não quero deixar de escrever.

Por isso, faço um compromisso agora com você está lendo isso: não vou deixar de escrever. Talvez você não esteja nem aí pro que eu faço com a minha vida; talvez você seja alguma amigo meu que vez outra entra porque “é de uma amiga minha, tenho que valorizar”. Não me importa muito quem você seja, o compromisso é, acima de tudo, comigo mesma. Não vou deixar de escrever. 

Pra provar que tô viva, eis uma foto:
  


Obrigada por ler até aqui! Para finalizar, deixo dois pedidos – um filosófico e outro prático.  Meu brother leitor, não deixe de ser quem você é. Não deixe a correria do dia a dia tirar de você a beleza de enxergar e expressar o mundo e não deixe seus sonhos pra lá. Não importa se medicina dá mais dinheiro que nutrição, não importa se engenharia civil dá mais dinheiro que educação física... Não importa, cara. Vai lá e faz o que tu gosta, seja quem você realmente é.

Se estiver afim, peço que compartilhe esse conteúdo nas redes sociais... Eu realmente não tempo pra fazer isso, e quero muito que isso alcance mais pessoas.

Abraços carinhosos!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Resenha “Psicose”



Talvez você nunca tenha ouvido falar de “Psicose”, mas com certeza você lembra da cena clássica do cinema, embalada uma trilha sonora incrível, em que uma mulher ao tomar banho é assassinada a golpes de faca por um ser desconhecido. 


Enfim, antes de falar propriamente do livro vamos analisar toda produção artística que ele gerou. Bom, o livro foi lançado em 1959 e um ano depois já foi parar nas salas de cinema. Um carinha massa chamado Alfred Hitchcock (Que eu amo) resolveu levar a obra para a telinha, mas não só isso, ele também resolveu comprar o máximo de copias disponíveis no mercado para que o final do filme não fosse revelado. O filme foi considerado uma proposta ousada para o cinema da época, e depois do lançamento gerou grande revolução, mas todos os detalhes da produção do filme conto em uma próxima de resenha (De “Alfred Hitchcock e os bastidores de psicose” que estou lendo). O filme estabeleceu um novo nível de aceitabilidade para a violência, comportamento desviante e sexualidade nos filmes americanos e inaugurou o horror moderno. 



Outra produção que a obra gerou foi a série “Bates Motel” (Que também amo) que se encontra na sua quarta temporada. A serie conta os acontecimentos anteriores ao livro, retratando a adolescência perturbada do futuro psicótico. 

É muito lindo ver como um simples livro pode despertar um universo de possibilidades.



Enfim, vamos ao livro!


“Psicose” de Robert Bloch tem como ponto central os problemas psíquicos que Norman Bates tem com sua mãe Norma Bates. Sim, Os nomes deles são parecidos, daí você tira o nível da intimidade de mãe e filho. Norman é um homem adulto que sofre com sérios problemas de personalidade, principalmente na frente da mãe que o trata ainda como uma criança. Ele administra um Motel fundado por Norma em uma rodovia deserta, (Nossa! que cenário de terror perfeito), e é justamente lá que ocorre misteriosos casos de desaparecimentos e acidentes. E um desses misteriosos casos é o de Mary, a moça, cansada da vida que levava, decidi roupar seu empregador e fugir com o dinheiro, seu objetivo era de ajudar seu namorado a sanar suas dívida e fugir com ele para uma nova vida. No caminho para cidade do seu companheiro ela se perde nas estradas e vai parar no sóbrio motel a procura de um quarto onde, ao tomar banho, é brutalmente assassinada.
         Daí começa toda a drama, Lila, irmã de Mary, preocupada com o desaparecimento de sua irmã, vem para a cidade de seu cunhado, Sam, em busca de notícias. Também um segurador da empresa roubada vem em busca da ladra.  Assim embalada por investigações e suspense a história é construída, os três começam uma busca incessante por notícias de Mary e tudo aponta para o mistério Bates Motel e seus segredos.
Alguns críticos dizem que a fama da obra e maior que o livro, eu discordo, ele traz uma leitura sutil e fácil, revelando seus mistérios em cada página e prendendo um leitor a cada cena.  Bloch coloca a psicologia dentro de um cenário de suspense e horror e mostra como o inocente pode ser muito perigoso.
           Super recomendo para aqueles que não tem o habito da leitura e principalmente para aqueles fãs de psicologia e que queiram descobrir o final tão zelado por Alfred Hitchcock.




quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Resenha - Harry Potter e a Ordem da Fênix



Após ter vivenciados momentos mais que traumatizantes enquanto via o Lord das Trevas voltar, Harry se encontra sozinho na casa de seus tios. Envia carta para Rony, Hermione e Sirius, mas não recebe respostas de nenhuma delas. Se sente cada vez mais só, tendo que lidar sozinho como medo, a insegurança, e as perturbadoras lembranças que tem.

Então, o jovem bruxo sofre um ataque de dementadores em Little Whinging, e vai a julgamento por ter conjurado um Patrono para se defender, uma vez que é menor de idade e pode praticar magia fora dos muros de Hogwarts. O Ministério, é claro, ignora o fato de que o garoto estava se defendendo.

Harry defendendo a si ao seu primo Duda dos dementadores.

A Ordem da Fênix, formada por Dumbledore, Sirius, Olho Tonto Moody, Ninfadora Tonks, Remo Lupin, Molly e Arthur Weasley, Elifas Doge, Dédalo Diggle, Estúrgio Padmore, Emelina Vence, entre outros, é uma organização fundado por Dumbledore para combater Você-Sabe-Quem. Os pais de Harry, assim como os de Neville e muitos outros que morreram participaram da formação original, que se reuniu para combater Voldemortna sua primeira ascensão. 

Foto da formação original da Ordem da Fênix.
Quando volta a Hogwarts, mais problemas. Dumbledore está cada vez mais distante, mas também não é a toa: o célebre diretor da Escola de Magia e Bruxaria está sendo constantemente caluniado pelo Ministério da Magia e pelo Profeta Diário, uma vez que não acreditaram na declaração feita por Dumbledore no final do ano anterior de que Voldemort havia voltado.

Além de tudo isso, o Ministério começa a se infiltrar na escola, colocando Dolores Umbridge como professora de Defesa Contra as Artes das Trevas, mas na verdade estava ali para espionar Dumbledore, uma vez que o Ministro acredita que Dumbledore quer tomar seu cargo, usando como exército seus alunos.   



Dolores é então nomeada diretora de Hogwarts, quando Dumbledore é obrigado a se afastar da escola, e começa então um momento terrível para os alunos de Hogwarts: as aulas vão ficando cada vez mais teóricas, os grupos de estudos são proibidos, tudo vai ficando cada vez mais rígido.  

Dolores Umbridge.
Diante disso, Harry aceita a proposta de Herminone de ensinar aos colegas Defesa Contra as Artes das Trevas. Entra em cena a Armada de Dumbledore, organização ilegal realizada na Sala Precisa cujo objetivo era aprender a se defender, na prática, contra os perigosos desafios que podem surgir durante esse clima de crise e tensão. 

Cenas da Armada de Dumbledore.
É nesse livro também que conhecemos Luna Lovegood, uma aluna excêntrica da Corvinal que se aproxima cada vez mais de Harry e seus amigos, principalmente na Armada de Dumbledore. Luna era conhecida como “DiLua” pelos colegas, devido à sua inusitada forma de se vestir e se portar: usava brincos de arame em forma de rabanetes, um chapéu em forma de leão que rugia ao toque de sua varinha, além de ter um comportamento extremamente estranho.

Luna Lovegood.


Além de Luna, em Harry Potter e a Ordem da Fênix conhecemos muito mais do que Luna. Aliás, cada livro da série é uma grande surpresa, uma grande aventura. O desfecho do livro é um combate entre os comensais da morte e membros da Armada de Dumbledore com membros da Ordem no Departamento de Mistérios, do Mistério da Magia, onde o próprio Voldemort aparece para enfrentar Harry.  

O quinto livro da série pode ser considerado um dos mais sombrios. A ligação entre Harry e Voldemort é cada vez mais evidenciada, o que leva o garoto a pensar que está sendo possuído pelo Lord das Trevas. Tudo isso somado a típica crise da adolescência, à paixão intensa que Harry sente por Cho Chang, ex namorada de Cedrico que passa a maior parte do tempo chorando pela morte do rapaz. 

Rony, Luna, Neville, Hermione, Harry e Gina enfrentando os comensais da morte no Ministério da Magia.
Suuuuuper recomendo a leitura desse livro. Super recomendo a leitura de qualquer livro da série Harry Potter, para quem tá começando a ler, para quem já tem experiência no assunto, pra quem gosta de mistério, de fantasia, de combates, de conflitos. Harry Potter não é só uma fantasia para crianças. C. S. Lewis, autor das Crônicas de Nárnia uma vez disse que “uma história para crianças de que só as crianças gostam é uma história ruim. As boas permanecem.” E é esse ponto que Harry Potter se mostra excelente: Harry Potter nos acompanha desde a nossa infância, e até hoje, mesmo após  correria da vida de gente grande, que estuda, trabalha, paga contas e tem preocupações, Harry Potter continua nos surpreendendo.


Mais Fotos


Ministério da Magia, Departamento de Mistérios.

Belatriz Lestrange, umas das mais poderosas e perigosas dos seguidores de Voldemort.
 
"Não devo contar mentiras", marcado na mãe de Harry por um feitiço que Dolores Umbridge fez.

Alguns membros da Ordem da Fênix.

Por hoje é só, pessoal, espero que tenham gostado. Me contem nos comentários o que acharam, e fiquem com Deus! 
Obrigada por tudo!






Feliz aniversário, Luquian!!! <3 <3 <3 


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

5on5 - Volta às aulas



Bia, você não presta. Bia, você deixou a gente na mão. Bia, você está atrasada.

Eu sei, eu sei disso tudo, e peço mil perdões. Tinha planejado toda uma série de postas para essas férias, mas na casa da minha mãe, em Suzano, onde passei minhas férias, não tinha internet, então não tive como manter meu espaço na internet atualizado.

Voltei pra Conquista e aqui foi a correria do aniversário de Geovana e do casamento de Paulinha (ambas minhas primas) e, mais uma vez, tive que deixa-los na mão.


Volto hoje com as fotos do projeto e volto definitivamente pra vocês! Vamos lá?




Essas canetas representam pra mim a grande inspiração que quero ter esse ano. Quero escrever cada vez mais, tanto textos literários quando redações pra brocar again no Enem. 



Essa foto aqui é só bonitinha mesmo, não pensei em nenhum significado pra ela. 





Voltam as aulas, volta o trabalho também. Adeus janeiro, adeus férias. Se liga na minha pilha de processos pra trabalhar. E ainda falam que estagiário não trabalha – meu amigo, no Ibama tem isso não.



Minha agenda 2016 que eu definitivamente tô usando como diário. Por ter perdido o hábito de escrever todo dia, nem sempre lembro, mas decidi fazer porque a) Em São Paulo, na casa de uma amiga de infância, relemos nossos diários antigos e caaaaaaara, como foi bom, quero guardar minhas lembranças dessa época; e b) Escrever todo dia estimula a criatividade, que é o que eu quero esse ano.
Esse sabonete maravilhoso eu ganhei lá em SP, gente do céu, tem cheiro de morango mesmo, e eu sou a louca dos morangos. 




Comecei o ano com pé direito, lendo Senhor dos Anéis. É muito bom, já tinha lido O Hobbit antes e amado, sou completamente apaixonada por Tolkien, mas, me perdoem todos os fãs de Senhor dos Anéis, Harry Potter é melhor.


Blogs que também participam: Chay GasparLarissa GabriellaAP! Atelier Psicodélico e Realeza Diferente


É isso amores, muito obrigada por me acompanharem até aqui, mais uma vez, perdoem meu sumiço, fiquem todos com Deus! 
Me contem como está sendo essa volta à rotina de vocês!
Abraços calorosos



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Fernando Sousa| Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©